domingo, 28 de agosto de 2016

O LEGADO DAS OLIMPÍADAS


Instrumento de disputa política interna, alvo de manifestações por todo o Brasil, estratégia de marketing esportivo, o sonho de atletas, a realização de um projeto de vida. As Olimpíadas são, na sua essência, o encontro de competidores de todo o mundo, o culto ao limite do corpo humano, a busca pela vitória, a conquista de medalhas, de recordes, de visibilidade. A união dos povos, dos continentes, das culturas. Um evento histórico que modifica a nação que a recebe. Para sempre ou somente durante uns meses. Um caso para ser analisado em diferentes óticas. Há perdas, há choros, há derrotas, há tretas e mutretas, há ouro, mas, principalmente, há esperança. Os acontecimentos durante os Jogos revelam isso.

Alvo de críticas, porém um fato, talvez aspiração única daqueles que treinaram por uma vida. Chegou ao fim. O resultado está no quadro de medalhas conquistadas. Os louros foram colhidos, outros virão nas próximas competições devido à responsabilidade adquirida após a subida no pódio. O que será daqui para frente? Os olhos do mundo vigiaram o Brasil durante três semanas. E os brasileiros? O que fizeram? O que você fez? Torceu? Vibrou? Chorou? Nem se tocou que o maior evento esportivo estava sendo realizado no Rio de Janeiro? Dançou o samba no encerramento ou agradeceu ao futebol pela única vitória que faltava à seleção canarinho? Ou apenas reclamou que a novela mudou de horário por causa das transmissões? Não importa o que passou. É preciso pensar no amanhã. Naquilo que as Olimpíadas deixarão como legado.

Rafaela Silva, vitoriosa no judô, é o espelho da nação. Sem vantagens, sem mídia, sem um defensor dos direitos garantidos pela Constituição, mesmo recebendo uma bolsa das Forças Armadas. Ela é, sobretudo, exemplo do voluntariado que move o país. Que não tem obrigação de fazê-lo, mas foi o jeitinho que a dignidade de um cidadão arrumou para tornar as terras tupiniquins um lugar melhor, por meio da prática esportiva. A judoca é fruto do voluntário que se dispõe a contribuir para a evolução daqueles a quem são negados os recursos dos impostos. Quem a formou sabe o valor de um incentivo. Luta para tirar crianças das ruas da amargura e do crime para que elas se tornem melhores, aprendendo valores que lhes foram negados de alguma maneira. Porém, e infelizmente, a oportunidade também não é para todos. A atleta merece o ouro pela sobrevivência.

A batalha de vários participantes das Olimpíadas é a mesma daqueles que pegam o ônibus lotado para garantir o pão na mesa. Daqueles que desafiam os limites em triplas jornadas em troca de uma miséria de salário, que custa a pagar o sal que tempera o pouco servido na cozinha. Dói ouvir que a medalha conquistada é do Brasil, quando os governantes pouco se interessam em aprovar projetos de investimento na educação, na cultura, no esporte. O ouro, a prata, o bronze devem ser distribuídos aos guerreiros do dia a dia.

As Olimpíadas são uma lição. De esforço, de superação, de domínio de técnicas. Entretanto, deve-se entender este evento como um marco de mudança, em que a gambiarra não é a maneira ideal para resolver problemas, mesmo sendo essa característica intrínseca ao gene brasileiro. Muito menos a corrupção, como quis fazer o nadador americano, acreditando que nas montanhas de Cabral tudo seria permitido.

Milhões de dinheiros foram gastos na construção do parque olímpico, cuja promessa é a existência de um espaço para a formação de novos atletas. Neste momento político, de eleições municipais, é a hora de outra atitude cidadã. Espera-se que o brasileiro passe a olhar para o Brasil. Os Jogos deram o ensinamento. O eleitor será o atleta principal da competição nas urnas.

LinkWithin